SEJA BEM VINDO SEMPRE!

Olá! Que a Paz de Cristo reine em teu coração! É um grande prazer receber você em minha página. Espero que edifique sua vida e que você indique este blog às outras pessoas! Abraço.

domingo, 26 de setembro de 2010

FAMÍLIA FOI TEMA DE MENSAGEM NO CULTO EM RUBINÉIA ESSA NOITE


Na noite desse domingo, 26 de setembro, a Igreja Batista Monte Sião de Rubinéia/SP, teve um culto marcante. O Pr. Jesiel Freitas foi convidado para ser o preletor. Na ocasião falou sobre família, usando como base a parábola da dracma perdida (Lucas 15: 8-10), a igreja foi impactada pelo poder de Deus. O templo estava repleto de pessoas e o momento mais marcante foi o da oração pelas famílias, quando um grande número de pessoas abraçadas, esteve diante do altar. Houve reconciliações entre famílias e muita renovação espiritual. Outro momento marcante do culto, foi o período dos louvores cantados pelo conjunto da Igreja Batista de Rubinéia, que é presidida pelo Pr. Leandro Toscano, amigo pessoal do Pr. Jesiel Freitas.





sábado, 25 de setembro de 2010

CAMPANHA DA I.E.Q MIRASSOL TEVE PR. JESIEL COMO PRELETOR



Fotos: Leandro Estúdio
Na noite dessa sexta-feira, o Pr. Jesiel Freitas esteve ministrando a Palavra de Deus na campanha "ROMPENDO EM FÉ" na Igreja do Evangelho Quadrangular de Mirassol/SP. Foi uma noite gloriosa com as mais diversas manifestações espirituais. Com base no texto de Êxodo 14:15 o Pr. Jesiel ministrou o seguinte tema: "Cinco verdades que aprendemos na travessia do Mar Vermelho". A igreja reagiu com muita alegria e louvor ao Senhor diante da palavra ministrada. Ao final da mensagem centenas de pessoas dirigiram-se à frente do altar para receber oração. A I.E.Q do Bairro Regissol, é dirigida pelo Pr. Beto, conhecido popularmente pela sua alegria contagiante e maneira peculiar de ser. A Equipe do Ministério Palavra no Altar mais uma vez agradece a recepção carinhosa da igreja e a atenção dedicada a audição da palavra.

Equipe Ministério Palavra no Altar


sábado, 18 de setembro de 2010

HOMICIDAS NA CASA DE DEUS



“Qualquer que aborrece a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem permanente nele a vida eterna”. (RC)

“Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si”. (ARA)
I João 3: 15

Adjetivo terrível este: HOMICIDA! Autor de um homicídio, aquele que pratica a morte de outra pessoa.

Eu estava conversando com alguns irmãos ao final de um de nossos cultos esta semana, quando um irmão fez referência a outro que se desviou dos caminhos do Senhor... Então, outro irmão presente disparou: “- Aquele irmão foi morto por outros... Contribuíram muito na igreja para que ele se desviasse”. As palavras caíram como o estopim de um barril de pólvora, já que imediatamente um terceiro irmão presente, aliás, um obreiro, reagiu com veemência: “-Não concordo de forma alguma com isto... Ninguém mata ninguém na igreja!!” Evidentemente as declarações provocaram imediatamente uma leve discussão entre os presentes. De propósito, fiquei em silêncio por alguns minutos, apenas ouvindo e assistindo o debate. Queria ouvir os pontos de vista, saber a posição de cada um, observar as reações particulares, sentir a maturidade de cada um e esperar ser inquirido. O último objetivo logo foi alcançado, e a pergunta dirigida a mim foi inevitável; “-Pastor, o que o senhor acha a esse respeito? Um cristão pode matar espiritualmente ao outro, ou não?”.

Não reproduzirei aquí o que respondi em detalhes, mas gostaria de pontuar algumas verdades neste texto, usando como ponto de partida o versículo acima, escolhido para esta reflexão. Em primeiro lugar devo dizer que existem variadas situações e circunstâncias relacionadas à morte espiritual de um irmão. Há casos em que as pessoas estão dentro da igreja, porém ainda não passaram de fato pelo novo nascimento. Freqüentam o lugar como forma de preencher o tempo, como oportunidade de convivência social, como dever por serem parte de uma família cristã, e, muitas vezes apenas porque precisam de uma intervenção divina qualquer, e então, quando alcançam seu objetivo, se esquecem da casa de Deus e voltam às suas velhas rotinas assumindo publicamente a velha vida, que na verdade, nunca deixaram de ter no íntimo. Então, seja qual for à desculpa apresentada pelo abandono “da fé”, aproveitam as “oportunidades” para justificarem seu fracasso espiritual. As igrejas estão abarrotadas de pessoas que apenas esperam ter uma muleta na qual se apoiar para saírem correndo ao encontro do Egito, dos alhos e das cebolas! Não hesito nem temo afirmar que estas pessoas na verdade, nunca foram convertidas à Cristo. Jamais provaram o gosto prazeroso da salvação eterna em sua essência e tampouco tiveram desejo de transformação rumo à imagem de Deus. Sendo assim, não foram mortos, pois já estavam nesta condição!
Feitas estas considerações, vamos a uma segunda análise...

É sempre bom buscar equilíbrio e direção espiritual quando fazemos este tipo de abordagem. É claro que de acordo com o texto sagrado, irmãos podem matar irmãos. Não só cremos nisto por ser uma verdade bíblica eterna, mas pelas experiências vividas ao longo de nossa carreira espiritual. A imprudência, a falta de espiritualidade e falta de discernimento de muitos cristãos professos, tem levado muitos outros cristãos verdadeiros à morte. Sei que a pergunta lógica é: “mas isto é possível pastor?”. Então adianto à resposta: CLARO QUE SIM! O apóstolo João não teria feito tais afirmações caso isto não ocorresse. Estamos falando de um homem com uma profunda comunhão com Deus, ao ponto de receber a maravilhosa revelação apocalíptica na Ilha de Patmos.
Com base nas duas traduções bíblicas acima, podemos afirmar que há homicidas, há assassinos na Casa de Deus! E a razão primária para isto seria o ódio, o aborrecimento ao próximo, a falta de amor. As conseqüências da falta de amor são ações nocivas aos nossos irmãos em Cristo, e a Palavra de Deus especifica várias dessas ações que levam cristãos a morte. Parecem pesadas as palavras do apóstolo João! A edição Almeida Revista e Atualizada da Bíblia Sagrada usa um termo ainda mais chocante: ASSASSINO! Esta é a palavra que designa aquele que odeia a seu irmão. Com base em nossa língua e definição jurídica, homicida soa ainda mais suave que assassino, já que um homicídio pode ser culposo, ou seja, sem intenção de matar (embora também possa ser doloso, onde há intenção de matar), enquanto o assassinato é definido como morte provocada traiçoeiramente, ou seja, de forma premeditada, fria e calculista.

Podemos matar nossos irmãos com palavras agressivas, com atos impensados ou pensados, com a calúnia, com a incompreensão,com o desprezo, com a falta de gentileza resultante no tratamento antipático, com a fofoca, o mexerico, a publicação de fraquezas particulares que se referem a eles e coisas do tipo. Há uma lista de atitudes antibíblicas que podemos tomar em detrimento dos filhos de Deus. Penso que seria o caso de atentarmos um pouco mais para estas coisas e adotarmos uma postura mais vigilante, cuidadosa e amorosa na convivência social e cristã. A sentença resultante de tais práticas pecaminosas, pode levar-nos a conclusões assustadoras. Veja o que o apóstolo escreveu: “E vós sabeis que nenhum homicida tem permanente nele a vida eterna”. Além de matar nossos semelhantes podemos descobrir a desolação da ausência da vida eterna em nós. Que Deus nos guarde deste pecado horrendo... Que jamais matemos nossos irmãos em Cristo e que lutemos sempre para que eles sejam cada vez mais vivos e motivados espiritualmente! Você pode analisar mais cuidadosamente, os seguintes textos bíblicos:

Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte. (I João 3: 14)


Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo; todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão. (I João 3:10)


Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. (I João 4: 8)

Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. (I João 4: 20)


... mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha MORTAL. Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. (grifo meu) (Tiago 3: 8)

Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem. (Efésios 4: 29)


E sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vínculo da perfeição. (Colossenses 3: 14)


Deus nos livre de sermos HOMICIDAS EM SUA CASA!


Em Cristo:


Pr. Jesiel Freitas
Related Posts with Thumbnails

Faça parte de nosso ministério!

Faça parte de nosso ministério!